quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Um Santo e Feliz Natal!



No Natal a vida renasce, reaviva e se recupera.
No presépio. o Menino nos diz:"Estou aqui porque te amo".
É próprio do amor, saír de si, ir ao encontro. Por amor, Deus assume a nossa carne, nosso corpo e quer repousar no estábulo de nossos corações para que creiamos em seu amor!
O Menino Jesus, é uma carícia do amor do Pai, um afago de Deus para nós seus filhos. Quem ama faz presentes!
Acolhamos o presente que o amor do Pai nos oferece: o Menino Jesus.
Natal é sorriso de amor! O mundo precisa de sr sensibilizado e curado pela beleza e riqueza do amor de Deus. Eis o Natal!
Santo Natal para todos!

sábado, 12 de dezembro de 2009

Uma responsabilidade de todos!...

video

Campanha de Natal 2009 - Acende uma luzinha no coração dos que mais precisam!




À semelhança da mensagem do Presépio de Belém, também, o Carinho, a Ternura, o Amor, a Partilha são valores que deveriam estar sempre presentes nos nossos corações.

Deste modo, toda a comunidade educativa é convidada a participar nesta campanha que reverterá para a Obra do Pai Américo, a Casa do Gaiato - Mirando do Corvo, instituição que irá ser visitada pelos alunos do 6ºano, durante o 2º período. A colaboração de todos pode ser preciosa!
A contribuição poderá ser feita na BIBLIOTECA e através de Géneros Alimentícios (arroz, massa, leite, bolachas, atum, salsichas, grão, feijão…); Roupas; Livros;Brinquedos ...

Neste Natal, faz brilhar muitas estrelinhas!...

Esta campanha decorrerá até ao dia 14 de Janeiro de 2010.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

10 de Dezembro - Dia Internacional dos Direitos Humanos


Direitos Humanos

Nós temos 30 Direitos Humanos. Eles pertencem-nos. Não é preciso compra-los, pedi-los ou pedir permissão para os ter. Eles pertencem-nos. Não importa quem somos, de onde somos, que idade temos ou outra coisa qualquer. Algumas pessoas tentam ignorar os Direitos, fazer de conta que eles não existem. Mas uma coisa que estas pessoas não te podem tirar: os Direitos Humanos. A conferência de Teerão de 1968 completou e reafirmou a indivisibilidade e interdependência dos Direitos Humanos e o Pacto Internacional de Direitos Económicos, Sociais e Culturais fortificaram os artigos da Declaração. Actualmente os Direitos Humanos estão em vigor em praticamente todos os países, apesar de muitas vezes estes não serem respeitados por certos governos. Para prevenir tal existem organizações não-governamentais tais como a Amnistia Internacional, a “Human Rights Watch”, a “World Organisation Against Torture”, entre outras tantas. Algumas pessoas acham que os abusos aos Direitos Humanos são mais praticados em estados Ditatoriais do que em Democracias devido à liberdade da expressão existente nestes. Mas a verdade é que esses abusos também se verificam em Democracias , o que levou à criação dais tais organizações não-governamentais e monitorizam a avaliam se os Direitos Humanos estão a ser compridos em determinado país. A declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada em 10 de Dezembro de 1948 pela Assembleia-geral das Nações Unidas, foi o mais importante e completo documento concebido em favor da humanidade até esta data. Através dos tempos, por ocasião de conclaves internacionais, continuaram sendo elaborados documentos objectivando a melhoria nas relações entre os homens e os povos.
Aqueles que negam liberdade aos outros não merecem para si mesmos! É urgente destruir certas palavras… tortura, desrespeito, abuso de poder, fome, dor, solidão, crueldade. É urgente expandir…alegria…multiplicar os abraços… Até que nasce a Declaração dos Direitos Humanos… Desde então o mundo aperfeiçoou-se houve União, Paz, Solidariedade, Partilha, Amizade, Liberdade, Protecção. A força da Amizade vence todas as diferenças…
Cada vez mais nos tempos que correm se apresenta um imperativo falar em Direitos Humanos.
Conhecê-los, considerá-los, interpretá-los e fazê-los aplicar perante as mais diversas situações e perante os mais diversos cenários, é de uma necessidade extrema.
Direitos de cariz político, económico, social, cultural e mesmo relacionados com a ecologia, são importantes. E por isso existem. Estão escritos. Estão teoricamente aceites pela generalidade dos Estados. Mas há resistências. E os argumentos a favor da sua não total aplicação são um facto. Desta forma, e por isso, há sempre vítimas: homens, mulheres e crianças.
A questão do carácter absoluto ou da relatividade da aplicação dos Direitos Humano tem estado e continua a estar na ordem do dia. E aqui os motivos culturais e religiosos apresentam-se como predominantes para as reticências levantadas. Mas também a questão da "ocidentalização" dos Direitos Humanos continua em cima da mesa e encontra-se fortemente relacionada com a anterior.

A consideração e debate em torno da problemática dos Direitos Humanos não é de hoje. A sua evocação pode sempre predominar mais numas alturas do que noutras, conforme também as características da evolução do processo histórico, mas o atendimento à questão é antigo. O século XX deu-lhe um novo impulso, mas as raizes são anteriores.

É, pois esta abordagem que nos propomos, sinteticamente, fazer. Sendo que na História os Direitos Humanos se têm vindo progressivamente a afirmar e a materializar em instrumentos legislativos específicos, impõe-se uma abordagem introdutória, mas simultaneamente, ilustrativa.
É isso que deixamos desde já registado como mais um propósito.

Trabalho realizado por:
Lúcia Melo 5.ºA N.13

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

1 de Dezembro - Dia Mundial de Luta contra a Sida


1 de Dezembro de 1640 - Restauração da Independência

No dia 1º de Dezembro assinala-se a restauração da Independência de Portugal. Falecido o cardeal-rei D. Henrique, em 1580, sem ter designado um sucessor, Filipe II de Espanha, neto do rei português D. Manuel I. Invadiu Portugal e submeteu-o a 60 anos de domínio. Foram três os reis espanhóis que governaram Portugal entre 1580 e 1640 – Filipe I, Filipe II e Filipe III.
A capital do Império passou a ser Madrid e Portugal foi governado como uma Província espanhola.Como é natural, os portugueses viviam descontentes e compreendiam que só uma revolução bem organizada lhes poderia trazer a libertação.Assim, no dia 1 de Dezembro de 1640, um grupo de 40 fidalgos dirigiu-se ao Paço da Ribeira onde estavam a Duquesa de Mântua, regente de Portugal, e o seu Secretário, Miguel de Vasconcelos.A Duquesa foi presa e o Secretário morto. Foi assim que Portugal recuperou a sua independência, sendo D. João IV,. Duque de Bragança, aclamado rei, com o cognome de "O Restaurador".

domingo, 22 de novembro de 2009

Faz de Mim um Televisor...


No dia em que a ONU assinala o Dia Mundial da Televisão, vale a pena reflectir no seguinte texto:
Senhor, não quero pedir-Te nada de especial nem difícil, como fazem outras crianças.
Hoje quero pedir-Te um grande favor, sem que os meus pais se apercebam.
Faz de mim um televisor, para que os meus pais se interessem por mim como se interessam pelo televisor, para que olhem para mim com o mesmo interesse com que a minha mãe acompanha a sua novela preferida, ou o meu pai o jogo de futebol; quero falar como essas pessoas, porque quando elas falam, toda a minha família se cala para as escutar.
Desejo ver a minha mãe dar tantos suspiros à minha frente como faz quando olha para os desfiles de moda. Quereria que o meu pai se risse tanto comigo como faz quando acompanha um programa cómico na TV.
Se acreditassem em mim quando lhes conto alguma coisa como acreditam na televisão, diriam: «Está certo! Vi isso na televisão!»
Desejaria ser um televisor para ser o rei da casa, para me tornar o centro das atenções, para ocupar o melhor lugar, para que todos os olhares se voltassem para mim.
Desejaria que os meus pais se preocupassem comigo como se preocupam quando o televisor avaria. Chamam imediatamente o técnico.
Desejaria fazer companhia à minha mãe quando ela se sente sozinha, quando se sente triste. Gostaria de estar tanto tempo com ela como o que ela concede à televisão.
Gostaria de ser televisor para ser amigo dos meus pais e a pessoa mais importante para eles.
Ó pai celestial, se me transformasses em televisor, eu poderia ter outra vez pais, e ser outra vez feliz.
Por favor, Pai, faz de mim um televisor.
Ámen

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Dia Mundial da Tolerância - 16 de Novembro



Em 1996, a Assembleia-geral convidou os Estados Membros a celebrar o Dia Internacional da Tolerância a 16 de Novembro, com actividades dirigidas às escolas e ao público em geral. Esta decisão surgiu na sequência do Ano Internacional da Tolerância, 1995, proclamado pela Assembleia-geral a 20 de Dezembro de 1993. O Ano foi proclamado por sugestão da Conferência Geral da UNESCO, cujos Estados Membros tinham aprovado, a 16 de Novembro de 1995, a Declaração de Princípios sobre a Tolerância e o Plano de Acção destinado a dar seguimento ao Ano -Centro de Informação das Nações Unidas em Portugal.

No mundo cada vez mais complexo e conturbado, torna-se necessária a proclamação do valor TOLERÂNCIA.

Tolerância para com os outros;Tolerância pela diferença; Tolerância para todos os sentidos!


sábado, 17 de outubro de 2009

17 de Outubro - Dia Mundial de Luta contra a Pobreza

Não podemos parar! Levanta-te e actua para que os 8 objectivos do milénio sejam alcançados!


video

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Mais um ano que começa....


Olá a todos!


Quero saudar antes de mais todos os alunos que fizeram a opção pela disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica. Em segundo lugar, os seus Pais por querem que os seus filhos cresçam em alicerces firmes e consistentes baseados nos valores humano - cristãos.

Mais um ano que começa e apesar das vicissitudes dos tempos actuais, vislumbro um tempo de esperança reflectido no rosto de cada um dos alunos e no seu papel na transformação do mundo que nos rodeia. Pensar no futuro é procurar reflectir em conjunto sobre as formas ou a forma de o tornar mais risonho, mais humano, mais cordial...

Na recente mensagem do Papa Bento XVI, na Encíclica Caridade na Verdade, diz que " O saber nunca é a obra apenas da inteligência, mas se quer ser sapiência capaz de orientar o ser humano, à luz dos princípios primeiros e dos seus fins últimos, deve ser «temperado» com o «sal» da caridade".

Na caminhada deste grupo alargado, em que os laços de amizade são cada vez mais visiveis, quero demonstrar a minha disponibilidade para vos ajudar a construir um projecto de vida com sentido. O barco,nas diferentes viagens que vai fazendo, nãopode andar sozinho, pois precisa da ajuda de todos!

Nas actividades propostas para este ano lectivo, queremos continuar a trabalhar para o nosso lema: Ser Mais!

Ser mais na escola, ser mais para os outros, ser mais na família, ser mais no mundo actual, ser mais e mais na procura de Deus na nossas Vidas!

Queres aceitar o desafio? Vamos a isso?

Votos de um bom ano para todos!

Profª Estela Cristina Brito

















Semana Nacional da Educação Cristã

4 a 11 de Outubro de 2009

Educação Cristã: um Serviço e um Compromisso
Mensagem para a Semana Nacional da Educação Cristã

A educação é tão importante na vida do ser humano que, sem ela, ninguém cresce harmoniosamente e ultrapassa um estilo de vida marcado pela vulgaridade. É que a educação proporciona a cada ser humano o conhecimento de si próprio, a consciência da necessidade dos outros para a sua própria realização, a abertura às dimensões espiritual e transcendente da vida, e o empenho crescente no seu próprio desenvolvimento e na construção da sociedade em que está inserido. A educação é um contributo indispensável para o desenvolvimento integral da pessoa humana.Ainda recentemente, o Papa Bento XVI, atento às necessidades do nosso tempo, sublinhava que a educação é uma grande “emergência” no mundo de hoje. Por isso, as dificuldades que os educadores sentem para enfrentar os novos desafios não podem conduzir ao desânimo e ao enfraquecimento do seu empenho.
Todos estamos cientes de que os obstáculos e insucessos com que os educadores se defrontam podem e devem ser superados. O compromisso de cada um dos educadores é a via prioritária para o fazer. A todos é hoje lançado o repto de imprimir, na sua acção quotidiana, um dinamismo novo de criatividade e solidariedade. A Igreja sempre assumiu a educação como um imperativo da sua missão evangelizadora, consciente de que é através da educação que se constrói a realização humana e o futuro da própria humanidade. Por isso, empenha-se em promover a educação cristã, como um serviço e um compromisso: serviço do “homem novo” e de uma sociedade renovada, nos quais estão directamente envolvidos a Família, a Escola, a Paróquia e os Movimentos e Associações laicais.
A educação é o coração do desenvolvimento da pessoa e da sociedade. Educar nunca foi tarefa fácil. As dificuldades com que nos confrontamos não podem dar lugar ao desânimo ou ao cruzar de braços.
Com o empenho de todos, na fidelidade aos valores e critérios do Evangelho e na comunhão dos diversos ministérios e carismas, contribuiremos para a construção de um mundo renovado e com futuro.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

domingo, 28 de junho de 2009

Professor de EMRC na Vida das Escolas

O Ensino Religioso Escolar tem um papel essencial na educação integral da pessoa, na defesa da identidade nacional e no reforço da fidelidade à matriz histórica e cultural, bem como na promoção da compreensão dos fenómenos sociais e na descoberta do valor do outro, sendo a sua intervenção marcada pela visão cristã do mundo.
O professor de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) intervém num amplo espaço educativo, colocando-se numa posição privilegiada de serviço, disponibilidade e entrega à comunidade onde está colocado e na qual é chamado a servir. Deste modo, a disciplina de EMRC promove, obrigatoriamente, o envolvimento do professor da disciplina com a globalidade do Projecto Educativo da Escola, não se circunscrevendo apenas ao espaço da sala de aula. A transmissão e a aquisição das competências nesta disciplina são promovidas de forma integral dentro e fora da sala de aula, tendo a mesma um carácter interdisciplinar que integra, de forma activa e interventiva, o professor de EMRC no Projecto Curricular de todas as turmas, dando-lhe uma presença marcante na vida das escolas.

O funcionamento das escolas integra vários factores, desde o currículo nacional à diferenciação do currículo nas escolas, ao envolvimento com a comunidade local, passando pela gestão de projectos que colocam em interacção todos os actores da comunidade educativa. O actual quadro legal da gestão das escolas promove a abertura ao meio e a interacção e intervenção de todos os agentes educativos, procurando pautar-se pela avaliação do mérito e da qualidade.

É neste contexto que, todos os docentes, sem excepção, são chamados a participar na construção do projecto da sua escola. O reconhecimento do seu mérito pelos pares e a pertinência que é reconhecida aos projectos assumem-se como critérios para o reconhecimento e implementação dos mesmos nas diferentes escolas. O professor de EMRC, com o mesmo enquadramento legal que os demais docentes, intervém (e deve intervir!) de forma construtiva e valorativa nas escolas onde lecciona, sem qualquer factor de discriminação.

A intervenção dos professores de EMRC é valorizada e reconhecida, como acontece com os demais grupos docentes, pelos seus pares pedagógicos e pelas diferentes estruturas de gestão das escolas, que lhes reconhecem o mérito, o valor e a pertinência da sua intervenção. A acção e o desempenho dos docentes faz com que alguns se destaquem em outras funções para além das docentes, e este reconhecimento dá-se pela sua prática lectiva e pela sua participação na vida da escola.

O funcionamento das escolas regula-se, assim, pelo quadro legal e, particularmente, pela acção espontânea e participativa a que todos são chamados. Trata-se da regulação local do ensino, que reflectindo a realidade local das escolas, a formação do seu corpo docente e as suas potencialidades, manifesta práticas e características diferenciadas.

É neste contexto de reconhecimento do trabalho realizado, do mérito e da formação (em muitas circunstâncias através da especialização em diferentes áreas do ensino, de mestrados e doutoramentos que trazem um valor acrescentado à comunidade escolar e académica) que os docentes de EMRC têm vindo, de forma crescente a assumir nas escolas diferentes funções que dignificam e valorizam o ensino público e privado.

Um significativo número de professores de EMRC integram a gestão das escolas em diferentes órgãos, são coordenadores de projectos, leccionam nas Áreas Curriculares Não Disciplinares, assumem direcções de turma, dirigem Centros de Recursos Educativos, promovem iniciativas de acção social, de intervenção cultural e são, tendo em conta a especificidade da disciplina, imprescindíveis promotores da valorização dos projectos que dinamizam a formação dos alunos de forma global, enquanto educação integral da pessoa. Em suma, o melhor instrumento regulador da participação dos docentes de EMRC na vida das escolas deverá ser, como acontece com todos os docentes, o reconhecimento que a sua própria comunidade educativa faz do seu trabalho e intervenção nas escolas.

(in Agencia Eclesia)

terça-feira, 2 de junho de 2009

Visita de Estudo a Belmonte - 27 de Maio

No dia 27 de Maio, os alunos do 7º ano participaram numa visita de estudo no âmbito da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, à vila histórica de Belmonte. Esta actividade foi enquadrada nos conteúdos abordados na disciplina, nomeadamente as Religiões Abraâmicas e teve como objectivo principal a identificação do núcleo central da identidade do Judaísmo e do Cristianismo na referida vila.
Os pontos principais desta actividade foram os seguintes: visita guiada à Sinagoga, ao Museu Judaico, Igreja de Santiago e Panteão dos Cabrais e por último ao Museu dos Descobrimentos, onde são referenciadas, de forma interactiva, as viagens preconizadas por Pedro Álvares Cabral.
Por último, outro local de interesse para os alunos foi a passagem pela Aldeia S.O.S da Guarda que acolhe crianças desfavorecidas das várias partes da diocese. É uma obra que merece o nosso respeito e atenção, pois promove a educação de crianças e adolescentes de várias idades.
O concelho de Belmonte é quase tão antigo como a nacionalidade, situando-se no panorâmico Monte da Esperança e 1199 obteve o foral. No século XVI Belmonte dá um contributo importante para a história de Portugal através de Pedro Álvares de Cabral que, em 1500, comandou a 2ª Armada à Índia e durante a sua missão descobriu o Brasil.
Tinha valido a pena! As novas aprendizagens, as novas experiências, a partilha, o convívio e a amizade forma referenciais obrigatórios em toda a viagem.
Aqueles alunos que não foram à viagem, não sabem o que perderam!
Para o ano há mais!...
Eis alguns momentos desta visita de estudo:


segunda-feira, 1 de junho de 2009

Dia Mundial da Criança




Um sorriso pode mudar uma pessoa em vários aspectos. Uma pessoa pode mudar a forma de vida de si mesma. Uma criança e um sorriso são dois complementos que se podem transformar num só: a Paz.
Se um sorriso tem a capacidade de mudar totalmente uma pessoa e uma criança pode transformar a sua vida, porque é que não deixamos todas as crianças sorrir para termos um mundo melhor?
Falamos em deixar uma criança sorrir porque nem todas têm o dom de sorrir, algumas têm de chorar. Essas crianças são as maiores vítimas do egoísmo e do orgulho deste mundo cruel.
Se o mundo não deixar uma criança sorrir, podemos dizer que vivemos num mundo triste, porque se uma criança não sorri, quem vai sorrir? Os adultos? Não. Porque os adultos riem-se porque as crianças lhes dão força e vontade de viver e, têm muitos e maiores problemas. Se as crianças tiverem problemas sérios quer dizer que os adultos têm muito mais.
Uma criança com um sorriso pode fortalecer a vontade de viver de uma pessoa doente ou solitária, transformando a sua vontade de morrer numa enorme vontade de viver.
As crianças foram, são e serão sempre a melhor e a maior riqueza que o mundo tem.
Nunca se esqueçam – o sorriso de uma criança pode mudar uma humanidade.
Por isso, antes de fazerem alguma nova transformação no mundo da ciência e tecnologia pensem sempre primeiro se essa transformação favorece ou prejudica a vida de todas as crianças.

Deixem sorrir uma criança,
Para todo o mundo sorrir!
(Autor desconhecido)

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Trabalhos dos alunos - 7º Ano


- As Origens

http://docs.google.com/Present?docid=dg85xngg_0qgr89pd5

- As Religiões Abraâmicas

http://docs.google.com/Present?docid=dfvd4t8b_42pk2tp3db

domingo, 24 de maio de 2009

Visita de Estudo ao Centro Histórico do Porto




No dia 18 de Maio, no âmbito da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, os alunos do 8º ano realizaram um visita de estudo ao Cento Histórico do Porto.
Eis a opinião dos alunos:

Na nossa opinião a visita de estudo ao Porto foi gira! Começamos por ver a Igreja de São Francisco que logo na entrada vislumbrou a nossa vista… era quase toda talhada a ouro e tinha esculturas magníficas! Depois do almoço fomos andar no barco Rabelo, foi uma viagem emocionante! Nesta viagem, tivemos hipótese de ver as seis pontes do Porto (D. Maria, D. João, Arrábida, Freixo, D. Luís e a do Infante ) e para alguns foi uma experiência única visto que foi a primeira vez que andaram de barco! A seguir fomos visitar o palácio da Bolsa. Tinha salas deslumbrantes, quadros vistosos, mobiliário antigo, muito fascinante. Por curiosidade (ou não), a sala mais espectacular foi a última! Era o salão nobre com uma decoração árabe, com muitas cores vivas, decorado exageradamente. É utilizado para cerimónias importantes.
Valeu a pena este dia!
(Inês e Mariana 8ºB)

No dia 18 de Maio realizamos a viagem de Moral com o destino ao Porto. Fomos ver a igreja de S. Francisco, o Palácio da Bolsa e andámos no barco Rabelo. Quando chegámos à igreja de S. Francisco uma senhora fez-nos uma visita guiada e explicou-nos que aquela igreja era do séc. XVIII e que era do estilo barroco. Depois da visita fomos almoçar ao pé do rio Douro. Entretanto,chegou a altura de ir andarmos no barco Rabelo, em que nos divertimos muito e achámos que foi muito divertido e uma sensação muito boa. No final de cruzeiro das seis, fomos visitar o Palácio da Bolsa que era muito grande e muito bonito, vimos que a mobília toda do Palácio ainda não tinha sido restaurada e que algumas paredes eram feitas de gesso. Achámos que foi muito interessante e divertimo-nos muito um com os outros.
(Elisabete e Susana)

A viagem ao Porto, foi uma experiência espectacular. As pessoas que lá residem e trabalham são muito simpáticas e divertidas.
A Igreja de S. Francisco, uma das mais belas Igrejas da Europa, toda revestida de talha dourada e com uma fina cobertura de ouro. Uma Igreja que já serviu de estabulo para os cavalos e de esconderijo para os guerreiros.
De seguida, fomos almoçar na baixa ribeirinha junto ao Douro, onde aproveitamos para dar um passeio a beira rio.
De seguida, chegou o momento de andarmos de barco para conhecermos as seis pontes que ligam a cidaede do POrto a outros destinos. Foi um passeio lindo e único!!!!
O palácio da Bolsa foi o último sitio a ser visitado, mas também talvez o mais bonito e trabalhado!!!!
Aquelas paredes trabalhas com aquele rigor e pintura, aquele ouro!!!!!
Foi uma viagem espectacular!!!!!! Adequadas aos reis!!!!!!!!!!!!!!!
(Paulo do Vale e Ruben Cruz)

Maio - mês de Maria

Senhora do Silêncio e da Cruz,
Senhora do Amor e da Entrega,
Senhora da palavra recebida
e da palavra empenhada,
Senhora da Paz e da Esperança,
Senhora de todos os que partem
porque és a Senhora
do caminho da Páscoa.
Ensina-nos, Maria, a dizer sempre SIM,
com toda a alma.
Entra na pequenez do nosso coração, e
diz tu mesma o sim por nós.
( Cardeal Pironio)

domingo, 26 de abril de 2009

A Água, Fonte de Vida

A Gotinha de Água!
Era uma vez uma gotinha de água que estava sempre vestida de esmeralda e luar.
Ela estava sempre a viajar pelo mar e a ver imensas cores dos corais.
Mas houve um dia em que ela começou a subir muito e, de repente, parou numa nuvem cor-de-rosa ao pé de outras gotinhas de água e ficaram todas num arco-íris.
Uma vermelhas, outras alaranjadas, outras amarelas, outras verdes, outras azuis e ainda outra violeta e anil.
Ccomeçaram todas a viajar pelo céu e houve um dia em que a menina gotinha de água olhou para baixo e viu que estava tudo seco, as plantas já estavam quase mortas, as pessoas com fome e tudo isto porque não chovia há imenso tempo.
E a menina gotinha de água disse a todas as outras gotinhas de água para saltarem. E foi isso que aconteceu. Quando as pessoas olharam para o céu, de repente, começou a chover.
As pessoas já não iam ter mais fome e as plantas só iam morrer quando um dia parasse de chover.
Ah! Não foram só as pessoas que ficaram felizes! Também a menina gotinha de água ficou feliz e começou a cantar.
Ela aprendeu uma lição que é quando voltar a subir ao céu volta rapidamente para terra.
Fim!
Trabalho realizado por:
Ana Clara Flores Coimbra Nº17 - 5ºB

As Religiões no Mundo

sábado, 25 de abril de 2009

A Canonização de D. Nuno Álvares Pereira


Beato Nuno de Santa Maria

Amanhã, dia 26 de Abril, realizar-se-á, em Roma, a canonização do Beato Nuno de Santa Maria, considerado como uma figura que marcou os séculos XIV e XV, pelas suas qualidades humanas, pois despojou-se de todos os seus bens para entregar aos pobres. Era muito devoto de Nª Senhora e fazia da oração um principio fundamental da sua vida. Aqui se destacam algumas das suas virtudes que o levaram, aprtir de hoje, a ser proclamado como Santo em todos os altares do mundo.
Espírito contemplativo
Nuno Álvares Pereira, depois de ser religioso, estreitou mais o trato e familiaridade com o Senhor, porque então vivia no retiro, conveniente para poder sem estorvo empregar todas as potências da alma no Senhor que contemplava.
Amor à Eucaristia
«Esta a resposta que o Nuno costumava dar aos que notavam a sua frequência à mesa Eucarística: Que se alguém o quisesse ver vencido, pretendesse afastá-lo daquela Sagrada mesa em que Deus se dá em manjar aos homens, porque dela lhe resultava todo o esforço e fortaleza com que vencia e debelava seus contrários» (Papa Bento XV).
Devoção a Nossa Senhora
Nuno orava à Virgem Maria Senhora Nossa. Ao entrar no Convento de Nossa Senhora do Carmo, que mandou edificar, despojou-se de todos os títulos escolhendo para si o nome de «Frei Nuno de Santa Maria».
Pobreza, humildade e caridade
Nuno, o homem mais rico de Portugal, por amor de Deus fez-se pobre, inteiramente pobre. Distribuiu todos os seus bens pela Igreja, pelos pobres, pela família e pelos antigos companheiros de armas. Despojado de tudo pede por caridade. Só por ordem do Rei é que deixou de andar pelas ruas a pedir esmola para os pobres. Do que o Rei lhe mandava para seu sustento, distribuía tudo o que podia pelos pobres, socorrendo e assistindo na agonia os moribundos.
Mais caritativo era para com o seu próximo quando havia oportunidade de o socorrer nas enfermidades. Assistia os pobres nas doenças, não só com os alimentos necessários, mas com as ofertas que lhes dava.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Mais um período escolar que começa!



Depois de alguns dias de férias, eis que regressam as aulas!

É tempo de recomeçar e continuar a caminhada para se conseguir encontar o tesouro pretendido. É tempo de dar as mãos para que o esforço intelectual, fisico, psicológico possa dar bons resultados.
Viver o momento presente é forma de construir um futuro com outra cor!
Bom trabalho!

Páscoa Feliz!



É o grande mistério pascal - da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus - que estamos a viver e celebrar! Perante um Deus que dá o Seu próprio Filho pela redenção e salvação da humanidade, a nossa vida não mais pode ficar indiferente. Jesus Cristo, ao entregar-se totalmente na Cruz, mostrou como ELE nos AMA! Uma SANTA E FELIZ PÁSCOA!

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Semana de E.M.R.C - Cordão Humano

No dia 27 de Março, último dia de aulas do 2º Período, realizou-se um Cordão Humano com toda a comunidade Educativa sobre o lema da semana dedicada à disciplina de E.M.R.C.: Faz da tua vida um Arco – íris de Esperança! Lançaram-se duas pombas com algumas mensagens e alguns balões, simbolizando que devemos preencher a nossa vida com muita cor!... Cada um de nós é responsável por tornar o mundo mais colorido, com mais esperança e optimismo.
Quero, antes mais, agradecer aos alunos que abraçaram esta iniciativa com todo entusiasmo e carinho, bem como aos professores e funcionários que tornaram este momento muito especial.
Aqui fica o registo deste momento...

XII Inter - Escolas

XII Encontro Inter - Escolas Diocesano


Enquadrado na Semana dedicada à disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, realizou-se, no dia 25 de Março de 2009, o XII Inter Escolas Diocesano que congregou cerca de 800 alunos e 30 professores das escolas da Diocese da Guarda.
Foi um mega encontro subordinado ao tema: Aprender a Viver juntos para tornarmos o mundo mais humano e mais fraterno e decorreu no Parque Polis, na cidade da Guarda, onde se viveram momentos de muita alegria e entusiasmo nas diferentes actividades definidas para este dia.
A organização deste dia foi da responsabilidade do Departamento Diocesano do Ensino Religioso nas Escolas, não deixando de contar com o contributo precioso dos alunos inscritos em Educação Moral e Religiosa Católica e seus professores.
A nossa escola marcou a sua presença com trinta e três alunos mais dois professores e procurou encetar novas amizades e criar um espírito de convívio fraterno.
O dia foi caracterizado por várias actividades, nas quais se destacam as seguintes: - Momento de Reflexão sobre os Modelos da Paz; Almoço Partilhado; Jogos tradicionais; Oficina de dança; Desportos radicais; Momentos de Animação Musical.
No momento da reflexão, esteve, também presente o Sr. Bispo, D. Manuel da Rocha Felício que nos presenteou com as suas eloquentes palavras de esperança, nas quais estava implícito um grande desafio: num contexto de crise mundial, em que alguns valores estão a perder o seu vigor, torna-se fundamental que os alunos de moral se convertam em arautos de alegria, de sabedoria para poderem enfrentar os obstáculos da vida. O Sr. Bispo disse, igualmente, que todos nós (alunos e professores) deveríamos ser sementes de vida renovada.
Poder-se-á dizer que o balanço foi muito positivo, pois a expressão de cada rosto dos que estiveram presentes traduziu-se em emoções que tornaram o dia inesquecível.

APRENDER A VIVER JUNTOS
Para podermos viver juntos é preciso diálogo e amizade entre todos, todas as raças e todas as cores.
Nós não podemos viver sem amizade e sem amigos, não podemos viver no mundo da solidão. Não nos podemos isolar nem escondermo-nos dos outros só porque nos apetece ou porque achamos que eles não gostam de nós.
Temos que ser amigos uns dos outros, não andar a bater em toda a gente quando estamos nervosos, mas sim conversar e dialogar com alguém que seja um amigo de verdade e em quem possamos confiar.
Para um mundo melhor temos de aprender a viver juntos, com alegria, amizade e amor entre todos nós.
Renato, 6ºA

sábado, 21 de março de 2009

Programa da semana da disciplina de E.M.R.C.


O mundo torna-se mais colorido quando fazemos as opções certas!

Escolher Educação Moral e Religiosa Católica, é uma delas!

Sorrir, Ser alegre, Dar cor ao mundo actual! Eis o desafio!


O Sub – departamento de E.M.R.C. organizou algumas actividades para esta semana das quais se destacam as seguintes:

- 25 de Março: Participação da nossa Escola no XII Inter Escolas
Diocesano, na cidade da Guarda.


- 26 de Março: 10h35 - Palestra sobre o tema: "Educar para a
Solidariedade".

Tarde
- Lançamento de pombas e de balões com mensagens alusivas à Paz,
Concórdia,Amizade, Solidariedade.

Ao longo da Semana

-Exposição de trabalhos elaborados pelos alunos.

- Realização de um Mural e de pequenos painéis pelas diferentes turmas.

Com a Educação Moral Religiosa Católica, a tua vida tem outro sentido!
Aceita o Desafio! Começa a semana com todo o vigor!








E.M.R.C. - Uma Marca para a tua vida!

video

Semana da disciplina de E.M.R.C. ( 23 a 27 de Março de 2009)



O Ensino Religioso Escolar ocupa um lugar fundamental no sistema educativo. As grandes declarações de direitos, bem como a Lei de Bases do Sistema Educativo (LBSE), reconhecem a sua importância e enunciam princípios onde é possível enquadrar a sua inserção nos sistemas educativos, nomeadamente:
A liberdade dos encarregados de educação de escolherem o género de educação a dar aos filhos e de fazerem assegurar a educação religiosa e moral dos seus educandos, em conformidade com as suas próprias convicções e, correlacionado com os direitos referidos, o dever do Estado de colaborar com os pais na educação dos filhos, o qual se concretiza prioritariamente através da criação de condições necessárias para que os pais ou encarregados de educação possam optar livremente pelo modelo educativo que mais convenha à educação integral dos seus educandos;
A educação integral da pessoa, que tem como finalidades proporcionar o pleno desenvolvimento da personalidade humana e do sentido da sua dignidade e reforçar o respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais, bem como a formação do carácter e da cidadania, preparando o educando para uma reflexão consciente sobre os valores espirituais, estéticos, morais e cívicos. A defesa da identidade nacional e o reforço da fidelidade à matriz histórica em que nos inserimos, através do contacto com o património cultural, no quadro de uma tradição universalista europeia e da crescente interdependência e necessária solidariedade entre todos os povos do mundo (LBSE, art. 3.°).Atendendo à importância de que se reveste a educação integral da pessoa humana, a Educação Moral e Religiosa Católica, em linha com as convicções dos encarregados de educação ou dos alunos, é parte integrante do sistema educativo, uma vez que o enquadramento moral e religioso da vida é estruturante para o crescimento das crianças e dos jovens, constituindo um universo de referência a partir do qual se estrutura a personalidade e se adquire uma visão do mundo equilibrada e aberta ao diálogo com mundividências alternativas.
Observando o mundo actual ― com as suas múltiplas tensões, contradições, avanços e recuos ― é de notar a importância do conhecimento religioso para compreender os fenómenos sociais. Muitos dos conflitos procuram fundamentar-se em perspectivas religiosas ― certamente parcelares ― mas de enorme relevância pessoal e social. Mesmo a violência que usa o religioso apenas como pretexto, uma vez que as suas motivações mais profundas são de outra ordem, requer um conhecimento das tradições religiosas que torne o mundo compreensível e facilite a superação de situações geradoras de tensões e conflitos. As crianças e jovens precisam, mais do que nunca, de um conhecimento sério do fenómeno religioso, tanto das suas potencialidades conflituais, exploradas por fanatismos radicais, como principalmente das suas possibilidades no sentido da construção de relações baseadas no entendimento e no encontro entre todos os seres humanos. Não é possível compreender muitos dos eventos internacionais sem uma clara referência ao religioso e às suas múltiplas manifestações.

Assim sendo, é de evidente interesse para a educação das crianças e dos jovens a existência de uma disciplina que, embora mantendo o seu carácter facultativo, dada a sua natureza confessional, tenha como objectivos fundamentais educar para a dimensão moral e religiosa e para a compreensão dos elementos mais profundos da cultura nacional, necessariamente aberta ao mundo.

quarta-feira, 18 de março de 2009

Dia do Pai - 19 de Março



O Dia do Pai tem origem na antiga Babilónia, há mais de 4 mil anos. Um jovem chamado Elmesu moldou em argila o primeiro cartão. Desejava sorte, saúde e longa vida ao seu pai.
Nos Estados Unidos da América, Sonora Luise resolveu criar o Dia do Pai em 1909, motivada pela admiração que sentia por seu pai, John Bruce Dodd. O interesse pela data difundiu-se da cidade de Spokane para todo o Estado de Washington e daí tornou-se uma festa nacional. Em 1972, o presidente americano Richard Nixon oficializou o Dia do Pai. Naquele país, ele é comemorado no terceiro domingo de Junho. Em Portugal, é comemorado a 19 de Março.
E por que razão esta data?
Pelo facto de este ser o dia de S. José, o pai de Jesus e deste modo, faz-se uma homenagem especial a todos os pais do mundo.

domingo, 15 de março de 2009

Dia da Cáritas 2009

Dia Nacional da Cáritas - 15 de Março de 2009

A Cáritas Portuguesa é uma instituição oficial da Conferência Episcopal que promove e dinamiza a acção social da Igreja Católica, procurando auxiliar todos os que “são atingidos por qualquer forma de exclusão ou emergência, sem olhar a crenças, culturas, etnias ou origem”.
Visa a assistência, a promoção, o desenvolvimento e a transformação social. Vincula-se aos princípios da universalidade e da radicalidade em favor dos mais pobres, o que implica: a animação social, a comunhão cristã de bens e a formação.
Promove a animação da pastoral social, estimulando a existência de grupos de acção social nas paróquias e pretende informar, denunciar e sensibilizar a sociedade, propondo medidas de solução para problemas sociais graves, através de: - Assistência e apoio nas emergências; - Promoção da autonomia de cada homem e mulher; - Processos de desenvolvimento local; - Intervenção junto dos centros de decisão política; - Formação de agentes de voluntariado; - Empenho na conservação do meio ambiente sustentável.
A Cáritas fundamenta a sua actuação no respeito pela dignidade de cada pessoa, no Evangelho e na Doutrina Social da Igreja.

SE ...


Se fossemos automóveis, a Quaresma seria o tempo de mudar o óleo e afinar o motor;
Se fossemos jardins, a Quaresma seria o tempo de fertilizar a terra e arrancar as ervas;

Se fossemos tapetes, a Quaresma seria o tempo de dar-lhes uma aspiradela;

Se fossemos baterias, a Quaresma seria o tempo de recarregá-las.

Mas não somos nenhuma dessas quatro coisas!

Somos pessoas que, talvez, muitas vezes , fazemos coisas erradas e precisamos de nos arrepender delas. Daí a necessidade de nos confessarmos...
Somos pessoas que, muitas vezes, nos deixamos levar pelo nosso egoísmo e que precisamos de começar a pensar nos outros. Daí a necessidade da esmola...

Somos pessoas que, muitas vezes, perdemos de vista o fim para o qual fomos criados por Deus. Precisamos, pois, de recuperar a visão. Daí a necessidade da oração.

Essa é a razão pela qual celebramos a Quaresma!

(in SerMais)

Defeitos e limites...


"É necessário tomarmos consciência dos nossos defeitos e limites e darmo-nos conta de que não somos muito diferentes daqueles a quem nos julgamos superiores".

sábado, 14 de março de 2009

Visita à Casa do Gaiato: Testemunhos dos alunos...

No dia 9 de Março, realizamos a viagem à Casa do Gaiato, no âmbito da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica.
O nosso entusiasmo era muito e sem darmos por isso, lá chegamos a Miranda do Corvo, à Obra do Padre Américo, fundada no ano de 1940 com o objectivo de integrar, educar e formar rapazes que pertencem as famílias mais desfavorecidas.
Descobrimos que é importante valorizar a solidariedade como valor fundamentar que nos faz crescer com os outros e pode transformar o mundo para melhor.
Valeu a pena a experiência!
(Marcos e Carlos - 6ºC)
“A visita à Casa do Gaiato foi muito engraçada e divertida. Gostei muito de conhecer e brincar com todos os meninos que lá moravam. Eles eram alegres e brincalhões. Levamos brinquedos, alimentos e roupas para eles ficarem mais contentes. Pois é bom partilhar com os outros a bondade e a felicidade. Eu gostei muito desta viagem porque foi engraçado conhecer meninos novos. Gostava muito de fazer mais viagens divertidas como esta.”
Gonçalo Lopes – 6ºB

"A visita à casa do gaiato foi espectacular. Conhecemos dois meninos muito simpáticos, o que se destacou foi o Divino Carlos Có. Também conhecemos o padre Manuel responsável pela instituição.
Foi uma viagem onde podemos ver que nós crianças que temos uma casa, uma família e que por vezes não damos valor. No autocarro o ambiente foi muito amimado!
Gostei muito da visita à casa do Gaiato!
Francisca Borges – 6ºB

A visita à casa do Gaiato foi muito bonita. Gostei de conhecer o Senhor Pe. Manuel e um rapaz ( gaiato) chamado Divino Carlos Có. Gostei muito de ver o filme sobre a vida do Sr. Pe. Américo e de almoçar ao ar livre. Gostei da dança que as meninas do 6ºC fizeram para os alunos mais pequenos com os quais estabelecemos algumas amizades. Gostei de ver os porcos, as vacas, as pombas, os patos, os coelhos, as galinhas, as ovelhas. Aprendi que é bom ser solidário com os outros! Adorei a viagem!
Ricardo Maximino – 6ºB

Água- Fonte de Vida

As turmas do 5º ano , estão a abordar o tema: Água - Fonte de vida,ou seja, a água nas suas variadas dimensões, como um bem essencial para o desenvolvimento dos povos.
Como riqueza da natureza, ela surge associada ao nosso Criador que desperta em nós a responsabilidade de continuarmos a preservar as maravilhas do planeta terra. Como forma de agradecimento, aqui fica esta música.

quinta-feira, 12 de março de 2009

Alguns momentos vividos na Casa do Gaiato...

"Com esta Viagem, aprendemos que o valor da solidariedade, deve estar sempre presente nos nossos corações. Existem ainda muitos meninos com muitas carências...Ainda bem que existe a obra do Padre Américo para integrar estas crianças que são oriundas de meios tão diferentes! Gostámos muito do Divino Carlos,um menino de quatro anos, de Cabo-Verde, que entrou à quatro meses para esta instituição e apresenta alguns problemas respiratórios. Valeu a pena!"
(Carlos e Marco - 6ºC)

quarta-feira, 4 de março de 2009

Visita de Estudo à Casa do Gaiato - 6ºano



No próximo dia 9 de Março, os alunos do 6º ano, matriculados na disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, participarão numa visita de estudo à Casa do Gaiato, em Miranda do Corvo, com o objectivo de consolidarem alguns conhecimentos adquiridos.
A Obra da Rua, ou Obra do Padre Américo, mais conhecida como Casa do Gaiato é uma instituição particular de solidariedade social com sede em Paço de Sousa (Porto), fundada pelo Pe. Américo(Américo Monteiro de Aguiar) em 1940, e que tem como objectivo acolher, educar e integrar na sociedade crianças e jovens que, por qualquer motivo, se viram privados de meio familiar normal.
Eis alguns dos seus princípios pedagógicos:
1 . Regime de autogoverno: Os chefes são eleitos pela comunidade - OBRA DE RAPAZES, PARA RAPAZES, PELOS RAPAZES.
2 . Liberdade e espontaneidade: " Ninguém espere fazer homens de rapazes domados; a porta está sempre aberta".
3 . Responsabilidade: "Em nossas casas todos e cada um tem a sua responsabilidade".
4 . Virtudes humanas: Solidariedade, generosidade, camaradagem, amor ao próximo."Os mais velhos cuidam dos mais novos".
5 . Vida familiar: "Não somos asilo, nem reformatório, nem colónia penal. Não há nem nunca houve fardas ou uniformes - A família é o modelo da Obra".
6 . Ligação à natureza.
7 . Formação religiosa.

sábado, 28 de fevereiro de 2009

Sorrisos...

Um sorriso não custa nada
e produz muito.
Enriquece quem o recebe, sem empobrecer quem o dá.
Ninguém é tão rico que não precise dele
e ninguém é tão pobre que não o possa oferecer.
Um sorriso
Dá repouso ao cansaço e ao desânimo,
renova a coragem e é consolação da tristeza.
Ninguém necessita mais
de um sorriso
do que aquele que não sabe sorrir...




sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009


Qual o significado da Quaresma?
Chama-se Quaresma, os 40 dias de jejum e penitência que precedem à festa da Páscoa. Essa preparação existe desde o tempo dos Apóstolos, que limitaram sua duração a 40 dias, em memória do jejum de Jesus Cristo no deserto. Durante esse tempo a Igreja veste seus ministros com paramentos de cor roxos e suprime os cânticos de alegria: O "Glória", o "Aleluia" e o "Te Deum". Na Quaresma, que começa na quarta-feira de cinzas e termina na quarta-feira da Semana Santa, os católicos realizam a preparação para a Páscoa. O período é reservado para a reflexão, a conversão espiritual. Ou seja, o católico deve-se aproximar de Deus, visando o crescimento espiritual. Nesse tempo santo, a Igreja Católica propõe, por meio do Evangelho proclamado na quarta-feira de cinzas, três grandes linhas de acção: a oração, a penitência e a caridade.
Porquê a cor roxa?
A cor litúrgica deste tempo é o roxo que simboliza a penitência e a contrição. Usa-se no tempo da Quaresma e do Advento. Nesta época do ano, os campos enfeitam-se de flores roxas. Antigamente, era costume cobrir também de roxo as imagens nas igrejas. Na nossa cultura, o roxo lembra tristeza e dor. Isto porque na Quaresma celebramos a Paixão de Cristo: na Via-Sacra contemplamos Jesus a caminho do Calvário.
Qual o significado destes 40 dias?
Na Bíblia, o número quatro simboliza o universo material. Os zeros que o seguem significam o tempo de nossa vida na terra, suas provações e dificuldades. Portanto, a duração da Quaresma está baseada no símbolo deste número na Bíblia. Nela, é relatada as passagens dos quarenta dias do dilúvio, dos quarenta anos de peregrinação do povo judeu pelo deserto, dos quarenta dias de Moisés e de Elias na montanha, dos quarenta dias que Jesus passou no deserto antes de começar sua vida pública, dos 400 anos que durou a escravidão do Povo Hebreu no Egipto, entre outras. Esses períodos vêm sempre antes de factos importantes e relacionam-se com a necessidade de ir criando um clima adequado e dirigindo o coração para algo que vai acontecer.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Apadrinhamento de crianças




Nas aulas de Educação Moral e Religiosa Católica, as turmas B e C do 6º Ano, bem como do 7ºA e C, continuam pôr em prática os princípios fundamentais da disciplina, nomeadamente no que se refere ao tema da FRATERNIDADE, aderindo à Campanha de Apadrinhamento de Crianças promovida pela Cáritas Diocesana da Guarda. Trata-se de um projecto de solidariedade para ajudar crianças orfãs de Murrupula, em Moçambique, onde se encontram trabalhar os Missionários de S. Baptista de Gouveia, como é o caso do Sr. Pe. Jacob, que já esteve na nossa escola.
Com o objectivo de se angariar a quantia de 100 euros, os alunos fazem o seu donativo, no espírito de partilha e de generosidade, em todas as aulas de E.M.R.C.. Assim, as turmas acima mencionadas estão quase a atingir a quantia necessária para apadrinhar mais três crianças, permitindo a criação de condições para se matricularem, terem material escolar, roupa e alimentação diária.
Esta campanha de solidariedade constitui, para todos os que nela participam e participaram, um verdadeiro gesto de fraternidade e de felicidade, que ajuda a tornar o mundo mais humano, fraterno e justo, pois, como se costuma dizer, “nós só somos verdadeiramente felizes, quando fazemos os outros felizes”.

“Junta-te a nós para construirmos pontes com os outros!”

Os alunos de Educação Moral e Religiosa Católica da Escola E.B 2/3 Dr. Abranches Ferrão

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Parar um momento. Eis um desafio para os dias de hoje!

video

Viver com os outros!...

video

O Decálogo de Assis para a Paz


1. Comprometemo-nos a proclamar a nossa firme convicção de que a violência e o terrorismo estão em oposição com o verdadeiro espírito religioso e, ao condenar qualquer recurso à violência e à guerra em nome de Deus ou da religião, empenhamo-nos em fazer tudo o que for possível para desenraizar as causas do terrorismo.

2. Comprometemo-nos a educar as pessoas no respeito e na estima recíprocos, a fim de poder alcançar uma coexistência pacífica e solidária entre os membros de etnias, culturas e religiões diferentes.

3. Comprometemo-nos a promover a cultura do diálogo, para que se desenvolvam a compreensão e a confiança recíprocas entre os indivíduos e entre os povos, pois são estas as condições para uma paz autêntica.

4. Comprometemo-nos a defender o direito de todas as pessoas humanas de levar uma existência digna, conforme com a sua identidade cultural, e de fundar livremente uma família que lhe seja própria.

5. Comprometemo-nos a dialogar com sinceridade e paciência, não considerando o que nos divide como um muro insuperável, mas, ao contrário, reconhecendo que o confronto com a diversidade do próximo pode tornar-se uma ocasião de maior compreensão recíproca.

6. Comprometemo-nos a perdoar-nos reciprocamente os erros e os preconceitos do passado e do presente, e a apoiar-nos no esforço comum para vencer o egoísmo e o abuso, o ódio e a violência, e para aprender do passado que a paz sem justiça não é uma paz verdadeira.

7. Comprometemo-nos a estar da parte de quantos sofrem devido à miséria e ao abandono, fazendo-nos a voz dos que não têm voz e empenhando-nos concretamente para sair de tais situações, convictos de que, sozinhos, ninguém pode ser feliz.

8. Comprometemo-nos a fazer nosso, o brado de todos os que não se resignam à violência e ao mal, e desejamos contribuir com todos os nossos esforços para dar à humanidade do nosso tempo uma real esperança de justiça e de paz.

9. Comprometemo-nos a encorajar qualquer iniciativa que promova a amizade entre os povos, convictos de que, se não há um entendimento solidário entre os povos, o progresso tecnológico expõe o mundo a riscos crescentes de destruição e de morte.

10. Comprometemo-nos a pedir aos responsáveis das nações que façam todos os esforços possíveis para que, quer a nível nacional quer internacional, sejam edificadas e consolidado um mundo de solidariedade e de paz fundado na justiça.

Carnaval Cristão e seu significado


A festa carnavalesca surge a partir da implantação, no século XI, da Semana Santa pela Igreja Católica, antecedida por quarenta dias de jejum, a Quaresma. Esse longo período de privações acabaria por incentivar a reunião de diversas festividades nos dias que antecediam a Quarta-feira de Cinzas, o primeiro dia da Quaresma. A palavra "Carnaval" está, desse modo, relacionada com a ideia de "afastamento" dos prazeres da carne marcado pela expressão "carne vale", que, acabou por formar a palavra "carnaval".Em geral, o Carnaval tem a duração de três dias, os dias que antecedem a Quarta-feira de Cinzas. Em contraste com a Quaresma, tempo de penitência e privação, estes dias são chamados "gordos", em especial a terça-feira (Terça-feira gorda, também conhecida pelo nome francês Mardi Gras), último dia antes da Quaresma. Nos Estados Unidos, o termo mardi gras é sinónimo de Carnaval.
No período do Renascimento, as festas que aconteciam nos dias de Carnaval
incorporaram os bailes de máscaras, com suas ricas fantasias e os carros alegóricos. Ao carácter de festa popular e desorganizada, juntaram-se outros tipos de comemoração e progressivamente a festa foi tomando o formato actual.
O Carnaval é um período de festas regidas pelo ano lunar no Cristianismo da Idade Média. O período do Carnaval era marcado pelo "adeus à carne" ou "carne vale" dando origem ao termo "Carnaval".
Durante o período do Carnaval havia uma grande concentração de festejos populares. Cada cidade brincava a seu modo, de acordo com seus costumes. O Carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XIX. A cidade de Paris foi o principal modelo exportador da festa carnavalesca para o mundo. Cidades como Nice, Nova Orleans, Toronto e Rio de Janeiro inspiraram-se no Carnaval francês para implantar as suas novas festas carnavalescas, sendo o Carnaval do Rio de Janeiro considerado o mais importante do mundo...

(in Wikipédia)

Decálogo da Serenidade

I - Procurarei viver pensando apenas no dia de hoje, exclusivamente neste dia, sem querer resolver todos os problemas da minha vida de uma só vez.
II - Hoje, apenas hoje, procurarei ter o máximo cuidado na minha convivência, cortês nas minhas maneiras, a ninguém criticarei, nem pretenderei melhorar ou corrigir à força ninguém, senão a mim mesmo.
III - Hoje, apenas hoje, serei feliz. Na certeza de que fui criado para a felicidade, não só no outro mundo, mas também já neste.
IV - Hoje, apenas hoje, adaptar-me-ei às circunstâncias, sem pretender que sejam todas as circunstâncias a se adaptarem aos meus desejos.
V - Hoje, apenas hoje, dedicarei 10 minutos do meu tempo à uma boa leitura, recordando que assim como o alimento é necessário para a vida do corpo, a boa leitura é necessária para a vida da alma.
VI - Hoje, apenas hoje, farei uma boa acção, e não direi a ninguém.
VII - Hoje, apenas hoje, farei ao menos uma coisa que me custe fazer, e se me sentir ofendido nos meus sentimentos, procurarei que ninguém o saiba.
VIII - Hoje, apenas hoje, executarei um programa pormenorizado, talvez não o cumpra perfeitamente, mas ao menos escrevê-lo-ei, e fugirei de dois males, a pressa e a indecisão.
IX - Hoje, apenas hoje, acreditarei firmemente, embora as circunstâncias mostrem ao contrário, que a Providência de Deus se ocupa de mim, como se não existisse mais ninguém no mundo.
X - Hoje, apenas hoje, não terei nenhum temor, de modo especial não terei medo de gozar o que é belo, e de crer na bondade.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009


Bullying

Muitos jovens sofrem em silêncio com medo de colegas que os agridem na escola.De há alguns anos para cá, tem sido noticiado na imprensa casos de adolescentes que agridem colegas de escola. A esse fenómeno convencionou-se chamar Bullying.

Seremos naturalmente maus?
À partida todos acreditamos que as crianças são naturalmente boas e inocentes, ainda que alguns autores afirmem o contrário, ou seja, que a nossa natureza é agressiva, mas moldada pela educação. Assim, tudo dependeria em grande parte da educação que recebemos dos nossos pais e das influências do meio.
É certo e sabido que os mais pequenos precisam de regras, caso contrário as traquinices sucedem-se a um ritmo avassalador. No entanto, existe uma clara diferença entre a traquinice própria da infância e outros actos que poderemos considerar de maldade pura e simples, como é o caso do Bullying.
Não existe tradução portuguesa para o termo, mas, grosso modo, trata-se do acto de agredir um colega de escola, intencionalmente e de modo repetido. Estas agressões causam angústia ou humilhação à vítima, ocorrem sem motivações evidentes e são adoptadas por um ou mais estudantes contra outro (s).

A vítima
Há sempre três tipos de pessoas envolvidas nessa situação de violência: o espectador, a vítima e o agressor. O espectador assume uma atitude passiva e esta passividade deve-se ao facto de temer represálias ou, ao contrário, por sentir também algum prazer com o sofrimento da vítima.Por sua vez, a vítima costuma ser a pessoa mais frágil, com algum traço ligeiramente destoante do grupo de pares, traço este que pode ser físico (uso de óculos, alguma deficiência, roupas fora de moda...) ou emocional, como é o caso da timidez.Geralmente não dispõe de habilidades físicas e emocionais para reagir, é insegura a timidez impede-a de procurar ajuda. Normalmente é uma pessoa com dificuldades na criação de novas amizades e não se encontra inserida num grupo.Frequentemente são-lhe furtados ou partidos os objectos pessoais. No ambiente familiar, a vítima apresenta sinais de evitamento do meio escolar, mas habitualmente sofre em silêncio e não procura ajuda dos familiares, professores ou funcionários da escola. Por tudo isto, é vulgar que mude de escola ou pior, que opte por abandonar os estudos...

O agressor
Os agressores são habitualmente vistos como antipáticos, arrogantes e desagradáveis. Segundo alguns estudos, é vulgar que sejam oriundos de famílias pouco estruturadas, com pobre relacionamento afectivo entre os seus membros.Para além disso, os pais não impõem regras e o modelo de comportamento que têm em casa, sugere que a solução para os problemas passa pelo comportamento agressivo ou explosivo.Há estudos que apontam para que as crianças ou jovens que praticam o Bullying se transformem em adultos com comportamentos anti-sociais, psicopáticos e/ou violentos, o que vai fazer com que enveredem por uma vida de delinquência.
Texto da autoria de Drª Teresa Paula Marques Psicóloga Clínica, especialista em Psicologia Infantil e do Adolescente